Edivaldo, Renata Primo e Pedro

renata.jpg

Olá, sou Renata Primo (32anos), casada desde 2012 com Edivaldo Rosas (39 anos) e em 2015 quando resolvemos encerrar os contraceptivos, rapidamente tivemos nossa 1ª gestação da qual não tivemos sucesso. 

Após 6 meses, descobrimos a 2ª gestação, mas outra vez a decepção bateu em nossa porta. Diante desses abortamentos seguidos, buscamos ajuda com dois profissionais especialistas (Dra. Maria Carolina Maia e Dr. Ricardo Barini) e através de inúmeros exames, concluímos duas patologias base: Aloimunidade e Trombofilia.

A partir desses diagnósticos, foram iniciados os tratamentos, sendo que uns medicamentos foi o  Smof lipid. Este medicamento é de aplicação em ambiente hospitalar, sob supervisão médica. Em setembro de 2017 fomos contemplados com mais uma gestação, mas apesar de todos os cuidados, a implantação foi tubária e ouve a necessidade de fazer a retirada cirúrgica de emergência .

A cada perda, as incertezas de continuar tentando ter um filho, foram aumentando. Meu marido e eu até tínhamos resolvido não criar mais expectativas, afinal estávamos abalados emocionalmente. Foi quando em julho de 2018, inesperadamente nos deparamos com nossa 4ª gestação.

A cascata de ansiedade, medos, felicidade tomou conta da gente e a vigilância e os cuidados triplicaram, afinal a gestação seria de risco. Além dos polivitamínicos e o Smof lipid, também precisei fazer uso de progesterona na dose máxima, devido ao descolamento de placenta nas primeiras semanas, além do Clexane desde o início da gestação até o pós parto.

Mesmo diante de tanta tensão, de apresentar pré-eclampsia na reta final e Pedro lutando para ganhar peso a cada semana, finalmente ele chegou com 37 semanas, dia 01/03/2019 e esbanjando saúde. Quando peguei meu filho no colo, pude provar o amor incondicional de uma mãe pelo filho e hoje me sinto realizada e grata aos meus médicos por todo apoio.

Marlene Bognar Bognar